Informativo da Prátika Ltda. Março / 2017 Ano VI Número Edição Especial

Prátika adere à campanha nacional Todos Contra a Hanseníase

A Prátika é a mais nova parceira da Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) na campanha nacional “Todos Contra a Hanseníase”. A empresa tomou conhecimento da campanha e se apresentou como parceira. A campanha foi criada para esclarecer a população sobre um problema que preocupa as autoridades de saúde: o Brasil é o 2° país no mundo com mais casos de hanseníase - atrás apenas da Índia.

Boa notícia

A boa notícia é que hanseníase tem cura e tratamento gratuito no Brasil. Mas outra grande notícia é que empresas comprometidas com a questão social estão atuando fortemente para esclarecer seus públicos sobre o problema.

“Esta é a única forma de tirarmos o Brasil deste ranking nada glorioso: a força dos empresários, educadores e cidadãos comuns envolvida em batalhas que podem ser vencidas com a informação”, diz Marco Andrey Cipriani Frade, presidente da SBH, entidade fundada em 1948 e que há décadas luta contra a falta de informação sobre a hanseníase no país.

Um dos maiores problemas da hanseníase é que, por falta de informações sobre a doença, os pacientes são diagnosticados tardiamente quando já apresentam sequelas irreversíveis.

Para ajudar a esclarecer sobre o assunto, foi criado um mascote – batizado de Profi – que já participou do programa Bem Estar Global, da Rede Globo, e de ações em várias cidades. Ele também divulga informações esclarecedoras sobre a hanseníase na página do Facebook “todoscontraahanseniase”.

“É papel da sociedade civil destinar esforços para discutir os problemas sociais do país. Cada cidadão tem muito a oferecer. Só promoveremos transformações verdadeiras se olharmos para nossos espaços e perguntarmos: o que podemos fazer?” Cláucio de Paula Vieira

Hanseníase tem cura e o tratamento é gratuito

Hanseníase é uma doença infecciosa e contagiosa, que causa manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele. A pele também pode ter alteração da sensibilidade e o paciente não sente (ou tem sensibilidade diminuída) calor, frio, dor e mesmo o toque. É comum ter sensação de formigamento, fisgadas ou dormência nas extremidades (pés, mãos) e em algumas áreas pode haver diminuição do suor e de pelos. O paciente pode ter dificuldades para segurar objetos, pode queimar-se e não sentir ou, por exemplo, perder os chinelos sem perceber.

Observe se você tem manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele, se as manchas não têm sensibilidade ou sensibilidade diminuída e se você tem dificuldade em segurar objetos.

Variações da doença 

Pacientes com hanseníase podem ter alguns sinais ou sintomas como: lesões dermatológicas (na pele), infiltrações e alterações de cor e edema (feridas) nas lesões antigas e ainda dor ou espessamento de nervos (neurites). Febre, queda do estado geral, fadiga, perda de apetite, dor nas juntas, inflamação nos testículos e, muitas vezes, presença de nódulos subcutâneos (por dentro da pele), caroços vermelhos e dolorosos podem surgir.

É comum o paciente conviver com a doença por longos anos sem perceber. “Por isso, é importantíssimo prestar atenção aos sinais da doença e procurar o médico”, explica o médico Marco Andrey.

Diagnóstico

A hanseníase não é hereditária. É causada pelo bacilo Mycobacterium leprae e a transmissão acontece de doentes sem tratamento para pessoas saudáveis, pelas vias aéreas superiores (tosse, espirro, fala). Na consulta, o médico analisa lesões na pele com manchas (partes da pele podem não ter sensibilidade) e alterações neurológicas específicas (dormências e formigamentos). O serviço público de saúde em todo o Brasil oferece gratuitamente o tratamento. Todas as pessoas que convivem ou conviveram com o paciente de hanseníase devem ser examinadas.

Exame e tratamento

Em muitos casos, os médicos dos serviços públicos de saúde especializados em hanseníase podem diagnosticar a doença apenas no exame clínico. Pacientes de hanseníase fazem exame dermatológico e exame neurológico.

O tratamento da hanseníase é simples. Em qualquer estágio da doença, o paciente recebe gratuitamente os medicamentos para ingestão via oral – os medicamentos destroem os bacilos. O tratamento leva de 6 meses a 1 ano e, ao iniciar o tratamento, o paciente não transmite a doença a familiares, amigos ou colegas de trabalho. Se seguir o tratamento cuidadosamente, o paciente recebe alta por cura.

  “A hanseníase tem cura. Quanto mais cedo o tratamento, menores são as agressões aos nervos e é possível evitar complicações”. Marco Andrey, presidente da SBH

Somando esforços

Os governantes têm suas responsabilidades, especialmente no que concerne a problemas sociais de grande amplitude, como é o caso da saúde, educação etc. Mas nunca podemos esquecer que, além de zelar pelos nossos negócios, vida familiar, educação, vida profissional etc., temos de olhar o cenário e oferecer nossa contribuição. Qualquer cidadão, independentemente de sua formação, profissão, condição social, sempre tem algo a oferecer para a sua comunidade. Por isso, assumimos a responsabilidade de compartilhar com nossos colaboradores a campanha educativa “Todos Contra a Hanseníase”. Se cada um deles levar informação a seus amigos e familiares, estamos todos fazendo nosso papel social.Cláucio de Paula Vieira

Campanha

Resgatando o tema na sociedade

A campanha “Todos Contra a Hanseníase” é dirigida à comunidade em geral – adultos e crianças – e trabalha o tema hanseníase em escolas, empresas, ONGs, clubes de serviço, sindicatos etc. “O objetivo é que o tema volte às salas de aula, pois hanseníase é uma doença esquecida que cresce silenciosamente”, alerta o presidente da SBH, Marco Andrey.

Para Saber Mais

Quem quiser saber mais sobre a hanseníase e ser um colaborador da campanha, pode acessar o Facebook “todoscontraahanseníase” e compartilhar os cartões educativos. “Em breve, disponibilizaremos no site www.pratika.com.br o vídeo educativo da campanha”, informa Cláucio.

 

 

Você Sabia?

90% da população têm defesa natural contra a hanseníase.

O número de casos de hanseníase ainda é alto em crianças menores de 15 anos no Brasil.

A hanseníase é a doença infecciosa que mais cega no mundo. Diabetes e hanseníase são as maiores causadoras de feridas no Brasil.

O nome ‘lepra’ foi substituído por ‘hanseníase’ em 1995, com a Lei n° 9.010, de 29/3/1995.

Portadores de hanseníase podem ter manchas avermelhadas ou esbranquiçadas na pele e podem perder sensibilidade - ao calor, à dor, ao frio e ao toque.

O paciente que inicia o tratamento não transmite a doença a familiares, amigos, colegas de trabalho ou de escola.

Em muitos casos, o médico pode diagnosticar a doença apenas no exame clínico.

69 anos de luta contra a hanseníase

Fundada em 1948, a Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) é a responsável pela certificação dos médicos hansenologistas no Brasil. 

Durante todo o ano, a SBH promove treinamento em hansenologia em todo o Brasil para médicos, agentes comunitários de saúde, enfermeiros, dentistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais etc. 

Em 2018, a SBH completa 70 anos de trabalho na promoção da assistência, do ensino e da pesquisa em hansenologia. Desde 2012, a SBH é presidida pelo dermatologista Marco Andrey Cipriani Frade, coordenador de Residência Médica de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP (HCFMRP-USP), coordenador do Centro de Referência em Dermatologia Sanitária - Hanseníase - HCFMRP-USP.

Plateia do 9º Simpósio Brasileiro de Hansenologia, que aconteceu em novembro de 2016, em São Luís do Maranhão.

Boas Notícias

Manaus

▪ Profi, o mascote da campanha já participou do programa Bem Estar Global, da Rede Globo, que aconteceu em Manaus.

São Luís do Maranhão

▪ A campanha Todos Contra a Hanseníase também foi lançada em São Luís do Maranhão, durante o 9° Simpósio Brasileiro de Hansenologia.

Araraquara

▪ Estudantes de medicina da Universidade de Araraquara promoveram a campanha na cidade.

Ribeirão Preto

▪ PM em Ribeirão Preto aderiu à campanha Todos Contra a Hanseníase e distribuiu cartilhas aos policiais da região do CPI/3.

Brasil

▪ O vídeo da campanha vem sendo veiculado em várias emissoras de TV do país, orientando a população.